quinta-feira, 10 de agosto de 2017

Venha o teu REINO


— Pai nosso que está nos céus: teu nome é santo! Que a santidade do teu nome venha e inunde por completo toda a minha existência.
— Venha o teu Reino.  Que ele chegue, irrompa, aconteça, estabeleça, conquiste.
— Ó Senhor dos Exércitos, venha com o teu Reino.  Mostra tua grandeza e força e toma o que é teu por direito.  Creio firmemente em tua Palavra quando declaras: Ainda antes que houvesse dia, eu era; e nenhum há que possa livrar alguém das minhas mãos; agindo eu, quem o impedirá?
— Nada poderá te deter, então te rogo que venhas com o teu Reino.  Esta é minha prece: sei que tens todo o poder e por isso te suplico que exerças tua autoridade para trazeres teu Reino ao meu mundo, minha vida, minha cidade, meu lugar.
— Tenho visto hostes inimigas se levantarem.  O adversário de nossas almas tem pelejado e até demonstra aparentes vitórias.  Mas acima de tudo tenho posto a minha fé em ti, sei que virás com teu braço forte e conquistarás vitórias verdadeiras e definitivas.
— Tu que és varão de guerra, toma a frente do teu exército, coloca-te diante de teu formidável batalhão e comanda-o.  Tuas tropas já estão se colocando em posição de batalha e só esperam as ordens do soberano General e Senhor dos Exércitos para marcharem em triunfo.
— Assim eu te peço: venha o teu Reino e dessa forma ninguém poderá te deter.  E mais uma vez tomo a tua Palavra como testemunha quando declara que sairás como valente, despertarás o teu zelo como homem de guerra; clamarás, lançarás forte grito de guerra e mostrará tua força contra os teus inimigos.  Tu mesmo o prometeste e rogo que cumpra.
— Tuas estratégias são invencíveis.  Teu comando incontestável.  Teu posicionamento louvável.  Tuas palavras poderosas.  E teus filhos e servos estão prontos a te obedecer e seguir.
— Esta é minha prece: venha o teu Reino como um Império poderosíssimo e conquistador.
— Certo de tua incontestável vitória, eu te peço mais: venha o teu Reino, adentres os portais deste mundo com brado de vitória.  Traga a alegria da conquista para minha existência, minha terra, meu lugar, minha história.
— Como um exército que chega triunfante e vitorioso da batalha, assuma o cortejo.
— Quero cantar junto com o salmista quando me instrui a entrar por tuas portas com ações de graças e nos teus átrios, com hinos de louvor; render-te graças e bendizer-te o nome.  Também não quero me esquecer das palavras proféticas: Alegre-se muito, povo de Sião! Moradores de Jerusalém, cantem de alegria, pois o seu rei está chegando.  Ele vem triunfante e vitorioso.
— Sei que chegará o dia glorioso quando se ouvirá o brado retumbante: Abram-se, ó portais; abram-se, ó portas antigas, para que o Rei da glória entre.  Quem é o Rei da glória? O Senhor forte e valente, o Senhor valente nas guerras.  Abram-se, ó portais; abram-se, ó portas antigas, para que o Rei da glória entre.  Quem é esse Rei da glória? O Senhor dos Exércitos; ele é o Rei da glória!
— Então eu te imploro: venha o teu Reino, inicia o teu desfile glorioso.  Minha alma anseia por celebração e rituais de júbilo pela chegada do Reino. 
— Nessa prece, ainda a recheio com palavras do Salmo: Celebraremos com júbilo a tua vitória e em nome do nosso Deus hastearemos pendões.  É por este momento de alegria que espera teu povo, então venha em procissão de conquista e estabeleça o teu Reino entre nós.
— Algumas vezes chego até a pensar que teu Reino está demorando muito a chegar, por isso continuo insistindo: venha o Reino.
— Ó Senhor dos Exércitos, tu nunca te atrasas – isso é a mais pura verdade.  Eu é que preciso aprender a aceitar teus propósitos e desígnios soberanos.
— Confio em ti e sei que já tens determinado um tempo e um momento para cada coisa e situação.  Então, embora continue com a minha prece pela chegada de teu Reino, é imperioso descansar no teu controle absoluto das circunstâncias e da história – prova inconteste de que teu é o Reino e de que ele virá.
— Neste momento, apenas podemos ouvir os acordes do ensaio da marcha triunfante; apenas vislumbramos os pendões sendo enfileirados para o cortejo real, o teu exército tomando posição.
— Assim, enquanto espero ansioso o momento definitivo do teu Reino, eu te suplico que me permitas e condiciones a vivê-lo já como uma sublime antecipação.  O Reino que está para chegar, e pelo qual eu oro, já deverá estar condicionando toda a minha vida, ações, posições e intenções.
— Peço por mim e pela tua igreja. Que a espera não nos faça esmorecer nem perder a visão do Reino.  Que o tempo em que aguardamos não nos enfraqueça as mãos ou cale nossa voz.  Que o ainda não do presente não ofusque o até que em fim.  Que as aflições do agora não nos olvide a glória que em nós há de ser revelada.
— Ó Senhor dos Exércitos, conceda à tua igreja continuar sendo um baluarte deste Reino; uma agência avançada; uma antecipação inconfundível; a vanguarda do teu Reino.  Submissa e festejante.
— Que a prece nunca falte nos lábios do teu povo: venha o teu Reino.  E que este seja o tema incorruptível de nossa vida e pregação.
— Assim, com alegria reconheço que breve chegará o teu dia de glória.  Todos os sinais já prenunciam.  Não vai tardar o ressoar da trombeta quando o teu povo, teus súditos, teus filhos, habitantes de terra e céus proclamarão: "O Reino do mundo se tornou de nosso Senhor e do seu Cristo, e ele reinará para todo o sempre".

— Pois teu é o Reino, o poder, e a glória para sempre.  Amém!