quinta-feira, 10 de agosto de 2017

PELAS SUAS FERIDAS


Devemos sempre trazer em nossa memória o texto profético de Isaías 53 que apresenta com maestria o tema do Servo Sofredor.  Não apenas por curiosidade ou referência teórica.  Mas por que provavelmente não exista em todo o AT um outro texto tão magnífico e cheio de poesia sobre a dor e o sofrimento do Ungido de Deus e de como, do sofrimento dele, o Senhor pôde produzir salvação e bênçãos para o seu povo.
Gosto de tomar como centro da profecia o verso cinco.  E aqui vai me chamar à atenção o final deste: ...e pelas suas feridas fomos curados.  Um bom resumo para o que é estampado pelo profeta.  Convido, pois, a se aprofundar um pouco mais na sentença para perceber o quanto o Senhor tem a nos dizer e prometer nestas palavras.
Acompanhando a interpretação que Pedro faz da profecia, sei que Isaías se refere a Jesus na cruz (confira em 1Pe 2:24).  O Servo Sofredor é Cristo no madeiro.  Ou seja, foi na cruz que se cumpriram os versos desta profecia; lá no seu sacrifício, Cristo Jesus tomou sobre si as minhas enfermidades (leia o verso quatro).  Estou entendendo que Deus não somente tomou conhecimento que meu corpo, por causa do pecado, está doente e sofre com dores físicas; Deus levou – carregou – sobre si, como resultado de castigo, as doenças que me afligem a carne.  Certamente minhas moléstias estiveram cravadas no madeiro maldito.
E o maravilhoso verso cinco completa que não somente sobre seu corpo estava minha dor, mas efetivamente no seu sacrifício houve cura para meus males: fomos curados!  Sabe o que isso realmente significa?  Todas as doenças, grandes ou pequenas, graves ou agudas que possam me afligir já foram alcançadas pelo poder que provém da cruz.
Mas me acompanhe mais um pouco.  Se é verdade que minhas dores já estão cravadas na cruz, então porque ainda doi tanto?  Segundo a Bíblia, posso reconhecer duas respostas que se completam.  Paulo aos Coríntios diz que a tribulação – dor – de agora é momentânea e eu devo passar por ela na certeza que está produzindo em mim uma glória eterna (veja 2Co 4:17).  Isto não é negar uma realidade incômoda, é pela fé viver a esperança, apesar das circunstâncias (confira também Rm 8:18).
Vivo hoje o provisório, e neste momento ainda estou sujeito ao corpo desta morte (palavras de Rm 7:24).  Porém a grande certeza e glória da profecia é que nenhuma de suas palavras deixa de se cumprir.  Aí eu devo apontar minha leitura a Revelação final.  João ouviu lá da eternidade uma voz forte que exclamou: Ele enxugará de seus olhos toda lágrima (em Ap 21:4).  Isto são palavras bíblicas e, portanto verdadeiras (ainda Ap 22:6).
Cristo levou sobre si as minhas doenças, isto é promessa que começou a se cumprir no Calvário e para a glória de Deus poderei experimentar a cura completa e gloriosa quando chegar o grande dia, e disso eu não vou me esquecer jamais: pelas suas feridas fomos curados.  Aleluia!

(Extraído do sítio ibsolnascente.blogspot.com em 13/08/2010)