quinta-feira, 10 de agosto de 2017

NO TEMPO E NO LUGAR DE DEUS

 Calem-se diante do Soberano, o Senhor,
pois o dia do Senhor está próximo.
O Senhor preparou um sacrifício;
 consagrou seus convidados.
(Sf 1:7)
Visando a nossa reflexão prática sobre como proceder e se comportar na adoração ao nosso Deus, dois pontos precisam ser observados aqui: tempo e lugar.  Como seres humanos que somos, estamos inseparavelmente submetidos às limitações do espaço e do tempo, por isso devemos considerá-lo quando vamos até a presença de Deus para cultuá-lo.
No livro de Gênesis nós lemos que "abençoou Deus o sétimo dia e o santificou" (2:3).  Este princípio vai ser repetido no quarto mandamento que nos instrui a santificarmos o sétimo dia ao Senhor (Êx 20:8).  Com isso Deus está requerendo para si um tempo determinado – santificado – que não poderá ser contaminado com qualquer outro propósito: o dia do Senhor é questão de prioridade para o servo de Deus.  Os cristãos guardam o domingo em memória da obra salvífica e vitoriosa de Cristo na ressurreição; e este tempo tem que ser sempre observado como um tempo de temor e dedicação, consagração e submissão a Jesus.  Este é o tempo que Deus reservou para si e não podemos ocupá-lo com nada além da adoração.  Pensando ainda nisto, devemos reafirmar o nosso compromisso de estar sempre e pontualmente na presença de Deus para adorá-lo.
Diante do templo Jesus afirmou: "A minha casa será chamada casa de oração" (Mt 21:13).  Com isto Jesus reconhece que Deus tem reservado para si um lugar especial onde haverá sempre de se revelar de maneira especial e onde os seus fieis se dedicarão à prática prioritária da oração.  O lugar do crente se somar na busca do eterno Deus é o santuário – lugar destinado à adoração.  E podemos ir além usando as palavras de Hebreus: "Não deixemos de reunir-nos como igreja" (10:25).  A Bíblia nos instrui a não abandonar, mas nos ligar ao local onde Deus há de falar e ouvir o seu povo em adoração.
No tempo e no lugar de Deus nos unamos em adoração.
(do livro "No Baú da Adoração" publicado em 2004)