quinta-feira, 10 de agosto de 2017

Conselhos bíblicos sobre adoração e culto – A VOCAÇÃO DE ISAÍAS

No ano em que o rei Uzias morreu, eu vi o Senhor assentado num trono alto e exaltado e a aba de sua veste enchia o templo.  Acima dele estavam serafins; cada um deles tinha seis asas: com duas cobriam o rosto, com duas cobriam os pés e com duas voavam.  E proclamavam uns para os outros: “Santo, santo, santo é o Senhor dos Exércitos, a terra inteira está cheia da sua glória”.
 (Is 6:1-3)


A vocação de Isaías como descrita no livro de sua profecia é um exemplo majestoso de culto, adoração e glorificação a Deus que reconhecemos na narrativa bíblica.  Como modelo ao qual devemos nos espelhar em nossos cultos hoje, ele aponta algumas aplicações cultuais.
# Tudo ocorreu quando Isaías estava no templo em estado de luto.  Aprenda isso e não permita que nenhum luto – espírito de morte e desânimo – afaste você da Casa do Senhor e do lugar de adoração.  Tenha prazer em estar neste ambiente (declare o Sl 122:1).
# Tenha consciência da presença de Deus.  É esta presença que gera o culto.  Mesmo que não seja fisicamente perceptível, creia que o Espírito de Deus está soprando como um vento no meio da adoração (nas palavras de Jesus em Jo 3:8).  Cultue a partir desta consciência.
# Sempre inicie seu culto adorando e declarando a santidade absoluta de Deus.
# Deixe-me insistir.  Encha seu culto de adoração àquele que é “santo, santo, santo, que era, que é e que há de vir” (em Ap 4:8 estas são as palavras que ecoam na eternidade).
# Jamais queira competir com a glória e a majestade de Deus.  O louvor deve ser dirigido exclusivamente ao Deus santo.  Nunca se esqueça que o Senhor não divide a sua glória com ninguém (é ao mesmo profeta que é dita esta advertência – Is 48:11).
# A certeza da santidade divina deve fazer aflorar à consciência os seus pecados.  Tenha cuidado com isso pois o Senhor requer pureza no seu altar (Hb 10:31 fala que é terrível).
# Ao tomar consciência de seu pecado, arrependa-se e o confesse.  Lembre que pecado não confessado é brecha para desgraça, porém pecado abandonado atrai misericórdia (preste atenção às palavras de Pv 28:13).
# Deixe-se ser tocado pelo que vem do altar de Deus.  É o Senhor – e somente ele – quem nos purifica.  Sem a ação divina em nós não há mudança de vida, então permita que o Espírito trabalhe em você e refaça sua história (isto está no poema de confissão de Davi em Sl 51:2).
# Antes de concluir sua adoração, ouça o chamado ao testemunho e ao anúncio do evangelho.  Ele tem que fazer parte do seu culto (estava na oração sacerdotal de Jesus em Jo 20:21).  E ao ouvir a vocação responda favoravelmente (diga como Maria em Lc 1:38).
# Só então Deus terá apreciado sua adoração; sua alma já pura estará pacificada; a missão poderá ser cumprida.  Vai se cumprir na sua vida, na sua família e na sua igreja a bênção sacerdotal (leia-a em Nm 6:24-26).